História do Povo Cigano - Tenda Mistíca Mariana

Ir para o conteúdo

Menu principal:

História do Povo Cigano

Muitos talvez nem imaginam que esse povo começou a imigrar da Índia por volta do século 16 a.c. Mas, como uma cultura em constante fuga ao controle da história, existem mais versões do que fatos concretos. É certo que eles passaram pelo Egito, Grécia, Irã, Ásia Ocidental, Romênia, e já no século 15 podiam ser encontrados por toda a Europa. Perseguidos, excomungados, tachados de bruxos ou odiados pela sociedade que não conseguiam submetê-los, os ciganos sobreviveram graças as força da sua alma indomável. Força essa que não lhes faltava nem a beira da morte, quando aguardavam o extermínio com palmas e cantos.

Os ciganos chegaram ao Brasil no século XVII, como degredados ou enviados de Portugal para trabalhar como ferreiros e ferramenteiros. Os do grupo Kalon, foram os primeiros a chegar e marcaram a sua presença fortemente nesta terra. Eles eram católicos, mas conheciam os mistérios da Mãe Natureza e sabiam que os queridos ancestrais, podiam se comunicar, apesar de habitarem outros mundos.

Hoje se estima cerca de 150 mil ciganos espalhados pelo nosso país. Dizemos que são os nômades, justamente por ser os mais perceptíveis. Mas, se fôssemos considerar os criptociganos ( os ciganos ocultos, os não assumidos), esse número triplicaria. Então seria quase que meio milhão de ciganos no Brasil.

Apesar de não terem uma pátria, eles formam uma etnia, pois têm uma unidade lingüística, o romani ou romanês, que é a língua do povo. O cigano possui a pátria dentro de si mesmo. A sua pátria é onde ele está, o que é muito difícil de ser entendido pelos gadje (não ciganos).

 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal