O USO INTELIGENTE DAS EMOÇÕES. - Tenda Mistíca Mariana

Ir para o conteúdo

Menu principal:

O USO INTELIGENTE DAS EMOÇÕES.

Variedades

Nossas emoções operam em diversos níveis e se manifestam através de uma mescla de reações físicas e psicológicas. É, também, o motor das nossas condutas, ao produzirem uma série de respostas resultantes da percepção que fazemos das situações que vivenciamos. Cada emoção corresponde a determinadas reações fisiológicas.

O termo “emoções negativas” se refere às emoções que embora façam parte da natureza do homem, quando em excesso tornam-se desagradáveis, por exemplo, ansiedade, raiva, tristeza. Emoções positivas são aquelas que em condições normais geram uma experiência agradável, como alegria, felicidade, prazer, amor, etc. Com a tristeza temos a diminuição do ritmo respiratório; a sensação de vazio. A raiva, o medo, a ansiedade têm em comum a secreção do hormônio adrenalina, que dispara o coração, preparando a pessoa para luta ou fuga. Com alegria temos um aumento na produção de endorfinas, hormônios analgésicos e calmantes naturais, que nos dão a sensação de bem-estar e felicidade. Estes são exemplos do quanto às emoções podem interferir e/ou influenciar nosso estado de bem estar físico e mental, afetando nossos comportamentos e atitudes no cotidiano, na forma como reagimos aos fatos e circunstâncias do nosso dia-a-dia.

A Inteligência Emocional nada mais é que o uso apropriado de nossas emoções. Refere-se, ainda, às habilidades que temos de relacionarmos com outras pessoas, tendo como características básicas a empatia e a habilidade social. Pessoas que não se relacionam bem socialmente, com familiares, cônjuges, colegas e amigos, necessitam desenvolver a Inteligência Emocional, o autoconhecimento e melhorar a auto-estima.

Acredita-se, hoje, que os transtornos psicossomáticos ou psicofisiológicos como dores crônicas, algumas tipos de dor de cabeça, disritmias cardíacas, enfermidades digestivas, algumas dermatites, dentre tantos outros sintomas, podem ser produzidos por uma excessiva ativação das respostas fisiológicas de órgãos e sistemas (cardiovascular, respiratório, etc). Todo sentimento tem seu valor, porém, precisamos da emoção controlada, ou seja, o sentimento proporcional e adequado às circunstâncias.

Quando emoções são abafadas demais surgem, o embotamento, a tristeza, a angústia, o medo, a insegurança. Quando intensas e persistentes, tornam-se patológicas, como na Depressão Maior, na Agitação Maníaca, nas Fobias, Obsessões, Compulsões e no Pânico.

Inteligência Emocional é a capacidade de perceber e avaliar os verdadeiros sentimentos e emoções, de lidar com ambos, dominando-os ou adequando-os, quando negativos, desenvolvendo-os e dando-lhes direcionamentos corretos, quando positivos, de modo a se alcançar tanto quanto possível, o equilíbrio físico e emocional. É necessário, ainda, saber interagir com facilidade, lidar adequadamente com situações de estresse, enfrentar novos desafios, solucionar conflitos, estabelecer vínculos de cooperação e trabalho em equipe, ser mais assertivo (saber lutar pelos seus direitos, sem prejudicar terceiros).

A boa noticia é que, podemos desenvolver todos esses recursos. Para estarmos produtivos intelectualmente, é importante, exercitarmos a memória, ler, pesquisar, decorar textos, viajar, aprender com novas culturas, estudar línguas, falar em público, escrever, produzir intelectualmente, etc.

Para melhorar a Inteligência Emocional ou o (QE), são fatores imprescindíveis, o autoconhecimento, ou seja, a capacidade das pessoas conhecerem a si próprias; ter autocontrole – ou capacidade de gerir as próprias emoções, manter um estado de espírito positivo e humor estável; mobilizar recursos para a automotivação, realizar tarefas e ações necessárias para alcançar seus objetivos. Exercitar a empatia ou a habilidade de comunicação inter e intrapessoal com estabelecimento de vínculos afetivos gratificantes, bom nível de auto-estima e vida espiritual ativa.


Prof. Dra. Edna Paciência Vietta

 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal